“Ai que meda”

No post anterior eu prometi que hoje te contaria um medo que superei em 2019 e te daria uma dica sobre como administrar seus próprios medos e viver com mais leveza em 2020.

Já falei uma dezena de vezes por aqui que eu sou alguém que teve que aprender a lidar com a síndrome do pânico, ansiedade e depressão. Portanto, o medo é algo muito presente na minha vida, em diferentes dimensões.

Eu sinceramente acredito que a melhor maneira de lidar com esse sentimento que pode ser destruidor, é estabelecendo uma escala de intensidade para que saibamos reconhecê-lo em seus diferentes níveis hierárquicos e assim discernir o momento de recorrer a um profissional habilitado para nos ajudar a confrontá-lo.

Uma vez estabelecido isso, entenda: a minha forma de lidar com o medo pode ser irrelevante para o seu caso, uma vez que o medo é algo extremamente pessoal e circunstancial. Aquilo que para mim representa um terror de nível clínico, pode ser para você um simples desconforto.

De qualquer forma, a minha dica pra você aprender a administrar os seus próprios medos e viver com mais leveza em 2020 é :

CRIE O SEU PORTFÓLIO DE MEDOS!

Sim! Escreva sobre o que você sente, quando sente (gatilho), como sente e onde sente (em que parte do seu corpo a reação de medo se evidencia).

Atribua notas de 1 a 10 para a intensidade das sensações, considerando as experiências que já vivenciou anteriormente.

Preveja as situações e pense antecipadamente sobre como você poderia reagir para combater a paralisia e o mal-estar.

Escreva sobre os eventuais cenários: qual a pior coisa que poderia acontecer? qual a melhor coisa? qual a mais provável?

Ao fazer isso você estará adotando uma postura mais racional, movendo as informações do seu sistema límbico, que é puramente emocional, para o neocórtex pré-frontal, que é a parte do cérebro responsável pelo planejamento de comportamentos e pensamentos complexos.

O simples fato de listar os seus medos e confrontá-los no papel te ajudará a perceber que na grande maioria das vezes é você quem está no controle. E naquelas vezes em que não depender de você, é só respirar profundamente, contar até 10 e repetir para si mesmo: vai passar!

Quero deixar muito claro que essa dica não tem a pretensão de desconsiderar uma abordagem psicológica mais aprofundada.

Finalmente, é hora de compartilhar com você um super medo que eu confrontei em 2019:

O MEDO DE ‘DIRIGIR NA ESTRADA’.

Faz dois anos e meio que moro no interior de MS e até meados de 2019 eu não ousava dirigir sozinha na BR, o que me limitava bastante, especialmente nessa nova rotina de empreendedora.

No final de julho eu fui contratada para ministrar um treinamento no interior do Maranhão. Eu chegaria por volta das 16h em São Luis e teria que contar com a sorte de ter algum transporte disponível para o trajeto até a cidade onde meus pais moram, que fica a uns 370 KM da capital.

Eu já tinha repetido o roteiro de “esperar pela van” todas as vezes em que ia visitar os meus pais no Maranhão e isso sempre me deixava super estressada por causa de todas as circunstâncias que envolviam esse deslocamento (super lotação, muitas paradas, demora excessiva em percorrer o trajeto, atraso dos demais passageiros, etc…).

Decidi que não chegaria para o treinamento esgotada então teria duas opções: ou eu contrataria um motorista particular ou eu mesma pegaria a estrada. Contratar um motorista seria um comprometimento a mais considerando o meu orçamento…

Resultado: fiz uma pesquisa prévia sobre as condições da estrada, montei uma playlist que me deixava energizada, me ofereci para dar carona para uma amiga (extremamente corajosa, diga-se de passagem), aluguei um Jeep e coloquei o motor 1.8 na estrada!

Me senti absolutamente poderosa, apesar do catastrofismo de todos os meus parentes quando souberam que eu estava dirigindo pela esburacada 316-MA!

Encarei o medo, morrendo de medo! Sobrevivi!!! Depois dessa primeira experiência, comecei a me sentir mais confortável dirigindo pelas BR’s sozinhas… Inclusive, vivo me oferecendo para assumir o volante no lugar do meu marido!

Descobri que a maioria dos medos que tenho pode nunca se realizar.. e quando acontecer, se acontecer e eu sobreviver, aprenderei a administrar.

Por fim, também indico uma super estratégia que eu aprendi na saga do Harry Potter : Ridicularizar!!

Riddikulus é um feitiço usado conta bichos-papões. O conjurador deve pensar em alguma coisa engraçada quando está lançando o feitiço. Se for bem sucedido, ele força o Bicho-Papão a tomar a forma em que o conjurador estava pensando. Como os bichos-papões se alimentam do medo, eles são derrotados pelo riso, o objetivo do feitiço é tornar o Bicho-Papão motivo de riso”.

Termino esse post com uma sugestão para a sua playlist para dirigir na estrada:

Baby, you can start again
Laughing in the open air
Have yourself another dream
Tonight, maybe we can start again

(…)
And the sun will shine again
Are you looking for a sign?
Or are you caught up in the lie?

3 comentários em ““Ai que meda””

  1. Eu ameii, que texto inspirador e de fato preciso escrever meus medos e também aprender a ridicuralizar cada um. Obrigada pelo texto e pelas dicas. Eu amei 👏🏻👏🏻😍😘🥰

    Curtir

Deixe uma resposta para Valéria de Carvalho Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s